Páginas

sexta-feira, 10 de março de 2017

Mãe eu tenho que ir

Não importa o que eu faça, não importa onde eu esteja, você sempre será a base de tudo. Mas eu preciso crescer mãe, é hora de ir.

Talvez você demore a compreender, talvez você chore incontáveis noites por ver o ninho vazio, talvez você me ligue com aquela voz embargada, sofrida, de quem está guardando um mundo de saudade em um nó na garganta, mas mãe, eu tenho que ir.
Tenho que aprender a separar a roupa por cores na hora de lavar, tenho que descobrir que a louça continua na pia no dia seguinte, que cheiro de banheiro limpo é bom, principalmente quando fui eu que limpei.
Tenho que aprender a cozinhar mais coisas além de macarrão com salsicha, conto com a internet para me ajudar com isso. Tenho que aprender que o meu salário precisa durar 30 dias e que balada e cerveja não são lá as necessidades mais básicas.
Tenho que me sentir só, tenho que falar para as outras pessoas “minha mãe sempre diz que..” e sentir orgulho dos inúmeros conselhos que você me deu na vida e nem sempre eu dei muito valor. Tenho que identificar as amizades ruins, coisa que você fazia por mim antes, tenho que ser forte e segurar aquele palavrão que o meu chefe merecia mas você me ensinou que um profissional sério não sai de si tão facilmente.
Tenho que criar meus próprios ritos de sábado à tarde, que antes eram fazer bolo e dançar loucamente na cozinha com você. Tenho que tirar o pijama aos domingos, fazer almoço, fazer o jantar e não simplesmente ler um livro enquanto espero que você faça tudo por mim.
Tenho que assistir aquele filme incrível sem companhia e não ter ninguém pra chorar timidamente comigo, tenho que sentir falta do abraço que era a fortaleza que eu precisava em um dia ruim e da sinceridade que me ensinava a ser um ser humano melhor todos os dias.
Mas não pense que é fácil para mim, vai doer todos os dias da minha vida, não voltar para casa e ver seu sorriso tranquilo, poder contar cada detalhe do dia e não sentir um mínimo sinal de tédio no seu rosto.
Vou sentir saudade mesmo quando eu tiver dois filhos, mesmo quando eu tiver oitenta anos, mesmo quando eu tiver escrito o melhor livro da história.
Preciso ir mãe mas te levo sempre comigo.


© obvious: http://obviousmag.org/em_busca_dos_girassois/2015/mae-eu-tenho-que-ir.html#ixzz4aux7SyRI 
Follow us: @obvious on Twitter | obviousmagazine on Facebook

sexta-feira, 3 de março de 2017

ir embora

É preciso ir embora.
Vá embora. Por minutos, por anos ou pra vida. Se ausente, nem que seja pra encontrar com você mesmo. Quando voltar - e se voltar, vai ver as coisas de uma outra perspectiva.
Ir embora é importante para que você entenda que você não é tão importante assim, que a vida segue, com ou sem você por perto. Pessoas nascem, morrem, casam, separam e resolvem os problemas que antes você acreditava só você resolver. É chocante e libertador – ninguém precisa de você pra seguir vivendo. Nem sua mãe, nem seu pai, nem seu ex-patrão, nem sua pegada, nem ninguém. Parece besteira, mas a maioria de nós tem uma noção bem distorcida da importância do próprio umbigo – novidade para quem sofre deste mal: ninguém é insubstituível ou imprescindível. Lide com isso.
Fim da sessão.
(Antônia no Divã)
E bom dia pra quem tem bom senso!!

quarta-feira, 1 de março de 2017

video

terça-feira, 17 de janeiro de 2017

santo agostinho

 “A morte não é nada.
Eu somente passei para o outro lado do Caminho.
Eu sou eu, vocês são vocês.
O que eu era para vocês, eu continuarei sendo.
Me dêem o nome que vocês sempre me deram, falem comigo como vocês sempre fizeram.
Vocês continuam vivendo no mundo das criaturas, eu estou vivendo no mundo do Criador.
Não utilizem um tom solene ou triste, continuem a rir daquilo que nos fazia rir juntos.
Rezem, sorriam, pensem em mim. Rezem por mim.
Que meu nome seja pronunciado como sempre foi, sem ênfase de nenhum tipo.
Sem nenhum traço de sombra ou tristeza.
A vida significa tudo o que ela sempre significou, o fio não foi cortado.
Porque eu estaria fora de seus pensamentos, agora que estou apenas fora de suas vistas?
Eu não estou longe, apenas estou do outro lado do Caminho…Você que aí ficou, siga em frente, a vida continua, linda e bela como sempre foi


quarta-feira, 14 de dezembro de 2016

problemas

“Isto é um problema grande, um problema médio ou um problema pequeno?”

segunda-feira, 12 de dezembro de 2016

sexta-feira, 25 de novembro de 2016

opção

 Porque optar por si mesmo salva e liberta. Sempre.

quinta-feira, 24 de novembro de 2016

lembranças

lembranças gostosas..!
“Todos os dias é um vai-e-vem, a vida se repete na estação: tem gente que chega pra ficar, tem gente que vai pra nunca mais.” (Milton Nascimento)

terça-feira, 22 de novembro de 2016

luto

MORRER FAZ PARTE DA VIDA: 11 RELATOS SOBRE A IMPORTÂNCIA DO LUTO           

FILHO PREDILETO:

FILHO PREDILETO:

Certa vez perguntaram a uma mãe qual era seu filho preferido,
aquele que ela mais amava.
E ela, deixando entrever um sorriso, respondeu: 
"Nada é mais volúvel que um coração de mãe.
E, como mãe, lhe respondo: o filho dileto,
aquele a quem me dedico de corpo e alma...
É o meu filho doente, até que sare.
O que partiu, até que volte.
O que está cansado, até que descanse.
O que está com fome, até que se alimente.
O que está com sede, até que beba.
O que estuda, até que aprenda.
O que está com frio, até que se agasalhe.
O que não trabalha, até que se empregue.
O que namora, até que se case.
O que casa, até que conviva.
O que é pai, até que os crie.
O que prometeu, até que se cumpra.
O que deve, até que pague.
O que chora, até que cale.
E já com o semblante bem distante daquele sorriso, completou:
O que já me deixou...
...até que o reencontre...
(Erma Bombeck)

quinta-feira, 17 de novembro de 2016

melhor lugar do mundo

De repente a gente se dá conta de que não queria estar em outro canto do mundo, nenhum outro, senão exatamente onde está.

Família


"Família é prato difícil de preparar.

São muitos ingredientes.

Reunir todos é um problema...

Não é para qualquer um.

Os truques, os segredos, o imprevisível.

Às vezes, dá até vontade de desistir...

Mas a vida... sempre arruma um jeito de nos entusiasmar e abrir o apetite.

O tempo põe a mesa, determina o número de cadeiras e os lugares.

Súbito, feito milagre, a família está servida.

Fulana sai a mais inteligente de todas.

Beltrano veio no ponto, é o mais brincalhão e comunicativo, unanimidade.

Sicrano, quem diria?

Solou, endureceu, murchou antes do tempo.

Este é o mais gordo, generoso, farto, abundante.

Aquele, o que surpreendeu e foi morar longe.

Ela, a mais apaixonada.

A outra, a mais consistente...

Já estão aí? Todos? Ótimo!

Agora, ponha o avental, pegue a tábua, a faca mais afiada e tome alguns cuidados.

Logo, logo, você também estará cheirando a alho e cebola.

Não se envergonhe de chorar.

Família é prato que emociona.

E a gente chora mesmo.

De alegria, de raiva ou de tristeza.

Primeiro cuidado: Temperos exóticos alteram o sabor do parentesco.

Mas, se misturadas com delicadeza, estas especiarias, que quase sempre vêm da África e do Oriente e nos parecem estranhas ao paladar tornam a família muito mais colorida, interessante e saborosa.

Atenção também com os pesos e as medidas.

Uma pitada a mais disso ou daquilo e, pronto: É um verdadeiro desastre.

Família é prato extremamente sensível.

Tudo tem de ser muito bem pesado, muito bem medido.

Outra coisa: É preciso ter boa mão, ser profissional.

Principalmente na hora que se decide meter a colher.

Saber meter a colher é verdadeira arte.

As vezes o ídolo da família,  o bonzinho, o bola cheia que sempre ajudou azedou a comida só porque meteu a colher.

O pior é que ainda tem gente que acredita na receita da família perfeita.

Bobagem!

Tudo ilusão!

Família é afinidade, é à Moda da Casa.

E cada casa gosta de preparar a família a seu jeito.

Há famílias doces.

Outras, meio amargas.

Outras apimentadíssimas.

Há também as que não têm gosto de nada, seria assim um tipo de Família Dieta, que você suporta só para manter a linha.

Seja como for, família é prato que deve ser servido sempre quente, quentíssimo.

Uma família fria é insuportável, impossível de se engolir.

Enfim, receita de família não se copia, se inventa.

A gente vai aprendendo aos poucos, improvisando e transmitindo o que sabe no dia a dia.

A gente cata um registro ali, de alguém que sabe e conta, e outro aqui, que ficou no pedaço de papel.

Muita coisa se perde na lembrança.

O que este veterano cozinheiro pode dizer é que, por mais sem graça, por pior que seja o paladar, família é prato que você tem que experimentar e comer.

Se puder saborear, saboreie.

Não ligue para etiquetas.

Passe o pão naquele molhinho que ficou na porcelana, na louça, no alumínio ou no barro.

Aproveite ao máximo.

Família é prato que, quando se acaba, nunca mais se repete!

Família:

Feliz quem tem e sabe curtir, aproveitar e valorizar..."
Família projeto de Deus

Entao...
Amem-se.
Perdoem -se,
 Aceitem-se, Suportem-se e vivam como se hoje fosse o último dia que você vai estar com a sua família!
Família é privilégio pra quem a tem!

Manoel  Rodrigues

domingo, 13 de novembro de 2016

Oração


Oração: “Senhor Jesus, também sofrestes perdas e luto. Ajuda-me com o Seu Santo Espírito a viver bem e com equilíbrio todas as etapas de minha vida, os lutos e as perdas que tenho tido na minha caminhada. Ensina-me a perdoar e a pedir perdão, a ser desapegado das coisas e das pessoas. Que eu viva intensamente o amor nos meus relacionamentos e não deixe para trás nada sem resolver. Nossa Senhora do Equilíbrio, caminhai comigo e rogai por nós.

Letícia 6 anos (setembro)







Bia 4 anos(abril 2016)




















QUANDO EU FOR VELHA.


12 de novembro de 2016 20


QUANDO EU FOR VELHA.
Quando eu for velha, não quero que se preocupem em me visitar todos os domingos, somente para cumprir uma obrigação. Façam isso quando sintam realmente vontade de me ver, quando sintam saudades daquele cheirinho que só a "sua" mãe tem, quando sintam saudades do meu tempero, ou da forma que meus olhos olham para vocês, com orgulho, com amor e ternura.
Quando eu for velha, não quero que me levem feito um pacotinho de uma casa pra outra. Quero ficar no meu canto, "quero ficar na minha", vocês sabem o quanto eu valorizo a liberdade, não só a minha, mas sobretudo dos outros.
Quando eu ficar velha, quero que vocês me olhem e sintam orgulho de todas as minhas tentativas de viver a vida conforme os meus princípios, conforme a minha vontade. Não quero que pensem que fui egoísta, que alguma vez falhei com vocês, ou que eu amei de menos ou amei de mais. Eu simplesmente optei: eu quero ser mãe, eu quero gerar esse filho, essa filha, porque sei que eles serão pessoas especiais e que poderão fazer a diferença em suas vidas e nas dos demais e eu os amo muito!!!
Quando eu for velha, permitam-me ficar com meus netos e mimá-los do meu jeito, não critiquem se eu exagerar nos carinhos, nos presentes e se eu discordar com algum castigo mais pesado pra eles.
Quando eu for velha, não sintam pena de mim quando estiver debilitada, olhem para mim e digam: minha mãe é forte, ela vai vencer mais essa!! E não duvidem, eu vou vencer
Meus queridos filhos, não se sintam responsáveis por mim, eu lhes tiro essa obrigação. Eu os solto, os libero. Vivam suas vidas, trilhem seus caminhos, amem seus amores, formem-se, trabalhem, tenham êxito, criem seus filhos (se quiserem tê-los). Sejam corajosos, sonhem muito, sonhem alto! Sejam gentis, retribuam sorrisos, compartilhem bons momentos, cuidem de seus corpos, mas especialmente de suas almas. Jamais duvidem da existência de um Ser Superior. Não se prendam a dogmas, não julguem nada, não condenem ninguém, não acreditem em tudo o que lhes disserem, procurem vocês as respostas. Usem o poder que há dentro de vocês. Lembrem-se sempre disso: Vocês podem tudo! O impossível não existe, mas é preciso crer!
Autora desconhecida

UMA PESSOA VERDADEIRAMENTE FORTE

UMA PESSOA VERDADEIRAMENTE FORTE
Por Flávio Gikovate - Psiquiatra
A gente costuma ouvir que uma pessoa é forte, que tem gênio forte, quando ela reage com grande violência em situações que a desagradam.
Ou seja, a pessoa de temperamento forte só está bem e calma quando tudo acontece exatamente de acordo com a vontade dela.
Nos outros casos, sua reação é explosiva e o estouro costuma provocar o medo nas pessoas que a cercam.
Talvez essas pessoas sejam responsáveis por chamar o estourado de forte, porque acabam se submetendo à vontade dele.
Ele é forte porque consegue impor sua vontade, quase sempre por conta do medo que as pessoas têm do seu descontrole agressivo e de sua capacidade para fazer escândalo.
Se pensarmos mais profundamente, perceberemos que as pessoas de “gênio forte” conseguem fazer prevalecer seus desejos apenas nas pequenas coisas do cotidiano.
Elas decidirão a que restaurante os outros irão; a que filme o grupo irá assistir; se a família vai para a praia no fim de semana e assim por diante.
As coisas verdadeiramente importantes – a saúde delas e a das pessoas com quem convivem; o sucesso ou fracasso nas atividades profissionais, estudos ou investimentos; as variações climáticas e suas tragédias, como inundações, desabamentos e terremotos; a morte de pessoas queridas – não são decididas por nenhum de nós.
O que leva os de “gênio forte” a comportamentos ridículos: berram, esperneiam e blasfemam diante de acontecimentos inexoráveis, e contra os quais nada podemos fazer.
Reagem como crianças mimadas que não podem ser contrariadas! Afinal de contas, isso é ser uma pessoa forte? É claro que não.
Querer mandar nos fatos da vida, querer influir em coisas cujo controle nos escapa, não é sinal de força, como também não é sinal de bom senso, sensatez e de uso adequado da inteligência.
Talvez fosse muito bom se pudéssemos influir sobre muitas coisas que são essenciais. Mas a verdade é que não podemos.
Isso nos deixa inseguros, pois coisas desagradáveis e dolorosas podem acontecer a qualquer momento. E não serão nossos berros que impedirão nossos filhos de serem atropelados, nossos pais de morrerem, nossa cidade de ter enchentes ou desabamentos.
O primeiro sinal de força de um ser humano reside na humildade de saber que não tem controle sobre as coisas que lhe são mais essenciais. Sim, porque este indivíduo aceitou a verdade. E isso não é coisa fácil de fazer, especialmente quando a verdade nos deixa impotentes e vulneráveis.
O segundo sinal, e o mais importante, é a pessoa compreender que ela terá que tolerar toda a dor e todo o sofrimento que o destino lhe impuser.
E mais – e este é o terceiro sinal -, terá que tolerar com “classe” e sem escândalos.
Não adianta se revoltar. Não adianta blasfemar contra Deus. Ser forte é ter competência para aceitar, administrar e digerir todos os tipos de sofrimento e contrariedade que a vida forçosamente nos determina.
É não tentar ser espertinho nas coisas que são de verdade.
As pessoas que não toleram frustrações, dores e contrariedades são as fracas e não as fortes. Fazem muito barulho, gritam, fazem escândalos e ameaçam bater.
São barulhentos e não fortes – estas duas palavras não são sinônimos!
O forte é aquele que ousa e se aventura em situações novas, porque tem a convicção íntima de que, se fracassar, terá forças interiores para se recuperar.
Ninguém pode ter certeza de que seu empreendimento – sentimental, profissional, social – será bem-sucedido. Temos medo da novidade justamente por causa disso.
O fraco não ousará, pois a simples ideia do fracasso já lhe provoca uma dor insuportável.
O forte ousará porque tem a sensação íntima de que é capaz de aguentar o revés.
O forte é aquele que monta no cavalo porque sabe que, se cair, terá forças para se levantar.
O fraco encontrará uma desculpa – em geral, acusando uma outra pessoa – para não montar no cavalo. Fará gestos e pose de corajoso, mas, na verdade, é exatamente o contrário. Buscará tantas certezas prévias de que não irá cair do cavalo que, caso chegue a tê-las, o cavalo já terá ido embora há muito tempo.
O forte é o que parece ser o fraco: é quieto, discreto, não grita e é o ousado. Faz o que ninguém esperava que ele fizesse.

quarta-feira, 28 de setembro de 2016

CULT CARIOCA: ELIANE BRUM - Você consegue viver sem drogas legai...

CULT CARIOCA: ELIANE BRUM - Você consegue viver sem drogas legai...: Como Pedro descobriu que tinha se tornado uma “máquina humana” –  ou um “bombado psíquico”.  E como sua história fala do nosso tem...

sábado, 17 de setembro de 2016

A morte

A MORTE – Pedro Bial
A morte por si só, é uma piada pronta.
A morte é ridículo.
Você combinou de jantar com a namorada, está em pleno tratamento dentário.
Tem planos para semana que vem, precisa autenticar um documento em cartório...
Colocar gasolina no carro e no meio da tarde...
MORRE.
Como assim?
E os e-mails que você ainda não abriu?
O livro que ficou pela metade?
O telefonema que você prometeu dar a tardinha para um cliente?
Não sei de onde tiraram esta idéia:
MORRER...
A troco de que?
Você passou mais de 10 anos da sua vida dentro de um colégio estudando fórmulas químicas que não serviram para nada, mas se manteve lá, fez as provas, foi em frente.
Praticou muita educação física, quase perdeu o fôlego. Mas não desistiu.
Passou madrugadas sem dormir para estudar pro vestibular mesmo sem ter certeza do que gostaria de fazer da vida, cheio de duvidas quanto à profissão escolhida...
Mas era hora de decidir, então decidiu, e mais uma vez foi em frente...
De uma hora pra outra, tudo isso termina...
Numa colisão na freeway...
Numa artéria entupida...
Num disparo feito por um delinqüente que gostou do seu tênis...
Qual é?
Morrer é um chiste.
Obriga você a sair no melhor da festa sem se despedir de ninguém, sem ter dançado com a garota mais linda, sem ter tido tempo de ouvir outra vez sua música preferida.
Você deixou em casa suas camisas penduradas nos cabides, sua toalha úmida no varal, e penduradas também algumas contas...
Os outros vão ser obrigados a arrumar suas tralhas, a mexer nas suas gavetas...
A apagar as pistas que você deixou durante uma vida inteira,
logo você que dizia: das minhas coisas cuido eu.
Que pegadinha macabra: você sai sem tomar café e talvez não almoce, caminha por uma rua e talvez não chegue na próxima esquina, começa a falar e talvez não conclua o que pretende dizer.
Não faz exames médicos, fuma dois maços por dia, bebe de tudo, curte costelas gordas e mulheres magras e morre num sábado de manha.
Se faz check-up regulares e não tem vícios, morre do mesmo jeito...
Isso é para ser levado a sério?
Tendo mais de cem anos de idade, vá lá, o sono eterno pode ser bem vindo...
Já não há muito mesmo a fazer, o corpo não acompanha a mente, e a mente também já rateia, sem falar que há quase nada guardado nas gavetas.
ok, hora de descansar em paz.
Mas antes de viver tudo?
Morrer cedo é uma transgressão, desfaz a ordem natural das coisas.
Morrer é um exagero.
E, como se sabe, o exagero é a matéria-prima das piadas.
Só que esta não tem graça.
Por isso viva tudo que há para viver.Não se apegue as coisas pequenas e inúteis da VIDA...Perdoe...
Sempre!!

domingo, 21 de agosto de 2016

Confira as dez dicas necessárias para decorar quartos infantis É preciso planejar como será piso, iluminação e limpeza do local Escolher a decoração de um dormitório pode parecer uma tarefa simples, mas ao realizá-la é possível perceber que há muito mais para pensar do que se imaginava. Além dos móveis e da pintura das paredes, também é preciso planejar como será o piso, a iluminação, disposição dos fios, a limpeza do local, entre muitas outras coisas.
 1) Cama de apoio – Poucas pessoas pensam nesse detalhe, mas no quarto de recém-nascidos, é importante que haja uma cama de apoio para a mãe descansar durantes as noites em que precisa vigiar o bebê. “É comum optarem por colocar somente uma poltrona de amamentar, mas o problema é que ela não possibilita que a mãe tire um cochilo e o bebê acaba sendo levado para dormir na cama do casal, o que não é apropriado
 2) Abajur - O abajur também é um objeto que faz falta quando não colocado no quarto do bebê. Quando ele está dormindo, acender a luz do quarto pode despertá-lo.
 3) Comodidade – O ideal é que alguns móveis fiquem perto uns dos outros, mesmo se o espaço for grande. Facilita a vida da mãe se forem colocados berço, trocador e cômoda próximos, assim como instalar uma mesa lateral ao lado da poltrona de amamentação. Leia também: Dicas para otimizar os espaços nas residências Confira 10 dicas para fazer sua casa parecer maior do que ela é + Decoração & Jardinagem
 4) Piso – Para escolher o piso é importante pensar que é nele que a criança irá engatinhar, aprender a andar e brincar. Por isso, os pais devem priorizar o conforto térmico e de impacto. O piso vinílico, por exemplo, é como uma lona que pode ser instalada em cima do piso existente. Existem também os emborrachados, que são antiderrapantes. Caso não seja possível trocar o piso frio, faça uso de tapetes. 5) Cores – Quem quiser fugir dos comuns rosa ou azul, pode combinar cores inusitadas. “Marrom e goiaba fica super feminino e laranja com cinza demarcam muito bem um dormitório masculino”, . Evite pintar todas as paredes da mesma cor, escolha uma para dar destaque. tapetes. Abuse da criatividade e das cores
 6) Criatividade – Use a criatividade! Adesivos estão em alta e é possível imprimi-los personalizados. Também vale enquadrar a primeira roupinha, o carimbo dos pés, o primeiro desenho e outros objetos que tenham significado para os pais.
 7) Revestimentos – Para facilitar a limpeza, prefira revestimentos laváveis, que evitam acúmulo de pó.
 8) Fiação – Ocultar a fiação de luz e o trilho da cortina por forro de gesso além de melhorar o visual do ambiente, torna-o mais seguro.
 9) Organizarção – Estantes são muito versáteis. Além de proporcionar espaço para guardar objetos, funcionam como parte da decoração, basta organizar nelas bichos de pelúcia, livros, brinquedos e até caixas organizadoras com detalhes bonitos.
 10) Segurança – Procure escolher móveis de contorno arredondado. Além de evitar que as crianças encostem em partes pontiagudas, esse formato dá suavidade ao ambiente

a boneca perdida

“Franz Kafka, conta
a história, certa vez encontrou uma menininha no parque onde ele caminhava diariamente. Ela estava chorando. Tinha perdido sua boneca e estava desolada. Kafka ofereceu ajuda para procurar pela boneca e combinou um encontro com a menina no dia seguinte no mesmo lugar. Incapaz de encontrar a boneca, ele escreveu uma carta como se fosse a boneca e leu para a garotinha quando se encontraram. “Por favor, não se lamente por mim, parti numa viagem para ver o mundo. Escreveu para você das minhas aventuras”. Esse foi o início de muitas cartas. Quando ele e a garotinha se encontravam ele lia essas cartas compostas cuidadosamente com as aventuras imaginadas da amada boneca. A garotinha se confortava. Quando os encontros chegaram ao fim, Kafka presenteou a menina com uma boneca. Ela era obviamente diferente da boneca original. Uma carta anexa explicava: “minhas viagens me transformaram…”. Muitos anos depois, a garota agora crescida encontrou uma carta enfiada numa abertura escondida da querida boneca substituta. Em resumo, dizia: “Tudo que você ama, você eventualmente perderá, mas, no fim, o amor retornará em uma forma diferente”.
~ May Benatar, no artigo “Kafka and the Doll: The Pervasiveness of Loss” 

terça-feira, 29 de março de 2016

Os maiores vilões no processo de reeducação alimentar e emagrecimento

Os maiores vilões no processo de reeducação alimentar e emagrecimento: pO inimigo está mais próximo do que imaginamos. Podemos dividir as dificuldades em 2 frentes:/p
pSociais
Parece que não, mas, os amigos sabotam o esforço alheio. Isto normalmente acontece por meio de comentários:/p
p– Nossa, para que fazer tanto sacrifício, para não dar em nada?
– Como você está chata com essa dieta!
– Onde você está com a cabeça? Você não precisa emagrecer você está ótima!
– Você parece estar engordando ao invés de emagrecer!
– Que [...]

segunda-feira, 7 de março de 2016

Humor.


  • Mau comportamento e birras – são momentos como estes que eu tenho que me controlar para não gritar e não ficar mais chateada; mas eu encontrei uma maneira que sempre funciona: o humor. Veja por que o humor funciona:
  • Ele dispersa a tensão

    Quando o ar está carregado de tensão, a melhor maneira de se livrar dela é com o riso. Quando seu filho estiver bravo e lançando aquele olhar raivoso, em vez de responder da mesma maneira, faça-o rir. Faça cócegas nele, faça barulhos soprando com a língua para fora, faça caretas – o que o fizer rir. O clima vai mudar rapidamente de tenso para engraçado.
  • Ele desvia a mente do seu filho para outra coisa

    Mudar de assunto irá fazê-lo desviar o foco da raiva que está sentindo. Ele será capaz de se concentrar em outra coisa além do seu aborrecimento. Mesmo que seja preciso resolver o problema, não dá para resolvê-lo até que ele tenha se acalmado. Amenize o clima. Então, depois que os ânimos se acalmarem, conversem sobre o que aconteceu.

  • Ele ajuda você a se acalmar também

    Você pode, às vezes, estar prestes a perder a calma. Em vez de ceder à raiva, use o humor para se acalmar também. Quando a criança vê que você não está com raiva, ela acaba mudando o tom. Quando você se concentra em fazer seu filho sorrir, torna-se mais fácil usar amor e bondade para resolver o problema.
  • Ele ensina seu filho a relevar

    Se o seu filho tende a insistir em algumas coisas por algum tempo, e leva muito tempo para superar algo, este método poderá ajudar. Ao mostrar-lhe que, em vez de ficar bravo, ele deveria rir, ele aprenderá a lidar melhor com situações difíceis. Quando se deparar com situações futuras, e você não estiver por perto, ele será capaz de superar sua raiva sem a sua ajuda porque está aprendendo agora o que deve fazer.
    Hoje em dia, quando minha filha fica chateada, em vez de fazer uma birra, ela me pede para lhe fazer cócegas. Ela sabe que é assim que deixamos de ficar aborrecidas e superarmos a nossa raiva.
    Este método é utilizado para desfazer uma situação difícil e ajudar seu filho a se controlar, especialmente se ele tende a reagir com exagero a pequenas coisas. É também uma maneira de você não explodir cada vez que ele retruca ou desobedece. Então, depois que ambos se acalmaram, os problemas podem ser adequadamente discutidos.
TEXTO ORIGINAL DE FAMÍLIA.COM.BR

7